ARM revela projeto de chip para 'internet das coisas'

DA REUTERS

A projetista britânica ARM revelou um projeto de chip considerado pela empresa como o microprocessador de mais baixo consumo de energia, desenvolvido para ajudar aparelhos como refrigeradores, equipamentos médicos e parquímetros a se comunicarem com outros dispositivos.

A ARM, conhecida como criadora da tecnologia que aciona quase todos os celulares inteligentes e computadores tablets do planeta, anunciou que seu novo design de 32 bits utiliza cerca de um terço da energia consumida por microcontroladores de 8 e 16 bits hoje disponíveis.

Microcontroladores de baixo custo já estão incorporados a milhões de aparelhos, a exemplo de eletrodomésticos, automóveis e brinquedos, nos quais monitoram e controlam o desempenho.

A adoção da tecnologia de 32 bits e baixo consumo de energia ajudará as máquinas a se comunicarem com outras máquinas, afirmou a ARM, definindo as fundações para a chamada "Internet das coisas", que conectará sem necessidade de fios aparelhos pouco parecidos aos computadores, tablets e celulares inteligentes atuais.

O novo processador Cortex-M0+ já foi licenciado para as fabricantes de chips Freescale e NXP Semiconductor, anunciou a ARM na terça-feira.

Os microcontroladores são fonte de crescimento rápido de receita para a ARM. No quarto trimestre de 2011, 1 bilhão de chips baseados em seus projetos foram vendidos, 40 por acima do total do período em 2010.

A ARM recebe royalties de 1% a 2% do valor de cada chip. Um microcontrolador baseado no novo projeto poderá ser vendido a um custo típico de cerca de US$ 0,20, informou a empresa.

A ARM compete no segmento de microcontroladores com empresas que incluem Renesas e Microchip Technology.

Últimas Notícias

admin | 28/10/2017 - 17:28 | 2 comentário(s)
Engenheiros criam 'pele eletrônica' para medir batimentos cardíacos
admin | 28/10/2017 - 17:27
Britânicos testam robô que come resíduos e vai ao banheiro
admin | 28/10/2017 - 17:26
A Intel investirá recursos e cederá ferramentas, conhecimentos e tecnologias para que a SpaceMETA coloque robôs produzidos 100% no Brasil no solo lunar ainda em 2012.O projeto faz parte da competição Google Lunar XPrize, que premiará a primeira iniciativa privada que conseguir colocar um módulo lunar funcional no satélite da Terra.Três robôs equipados com processadores Intel Atom de baixo consumo de energia serão enviados à Lua até o final de 2012.
admin | 28/10/2017 - 17:26
O fim da picada. Acaba de ser criado um novo sensor capaz de detectar os níveis de açúcar no sangue analisando, não o sangue, mas a saliva.